terça-feira, 23 de maio de 2006

Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos


Celebra-se hoje o 13º aniversário da primeira cerimónia de entronização da Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos.
De acordo com artigo publicado nas páginas centrais da edição deste ano do "Almanaque do Camponez", esta confraria "foi constituída por escritura pública a 10 de Março de 1993" e "um dos desafios que enfrenta é a preservação da zona de produção do Verdelho na freguesia de Biscoitos, tendo para isso que enfrentar uma difícil luta com as autoridades locais e regionais, estando assim empenhados os 18 confrades em salvar um importante legado económico e cultural."
O mesmo artigo adianta que "a Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, maioritariamente constituída por enófilos, nasceu na Ilha Terceira para defender, prestigiar, valorizar, promover e divulgar o Vinho Verdelho dos Biscoitos, e todo o vinho de qualidade da Região Autónoma dos Açores. Os confrades trajam uma capa de cor azul (cor da bandeira da Região) debruada a ouro (cor de verdelho). Para o emblema, a Confraria escolheu as armas da Região Autónoma dos Açores, emblema esse carregado de história e do agrado de todos aqueles que gostam dos Açores e sua cultura, enquanto que, a tamboladeira foi inspirada na “Taladeira” de barro, típica da Ilha Terceira, usada na prova de vinho novo.
Numa das dependências do Museu do Vinho, instituição fundada na freguesia dos Biscoitos, está instalada a sede da Confraria. Luís Brum, proprietário do Museu, foi o principal impulsionador da iniciativa, mas o lote de confrades fundadores, inclui também Adolfo Lima, Secretário Regional de Agricultura e Pescas, do anterior Governo Regional dos Açores, actualmente Secretário-Geral do ICCAT. Presentes na Cerimónia de Entronização estiveram várias autoridades regionais, de entre as quais o Ministro da República para os Açores, o Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, o Vice-Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória e o Presidente da Assembleia da Freguesia dos Biscoitos. Marcaram igualmente presença, de entre as Confrarias convidadas, a Confraria do Vinho da Madeira e a Confraria do Vinho Verde.
A Confraria edita anualmente a revista “Verdelho”, a qual dispõe de uma variedade de temas culturais e técnicos."

5 comentários:

Luís Mendes Brum,  24/5/06 21:50  

Agradeço ao Director deste blog a maneira simpática ao recordar a investidura dos 18 Confrades Fundadores.

Algumas das palavras que disse como Grão-mestre na ocasião:
(...)
Inspiram-me sempre viva simpatia e grande interesse os esforços sinceros e porfiados daqueles que, em labutação afanosa e quotidiana lidam pela nossa vitivinicultura.
(...)
É pois com a mais íntima satisfação e verdadeiro júbilo que vejo entronizados na ilha Terceira, os primeiros Confrades da Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, tendo como objecto a defesa, o prestígio, a
valorização, a promoção e a divulgação do Vinho de Verdelho dos Biscoitos e todo o vinho de qualidade da Região Autónoma dos Açores.
A viticultura biscoitense está uma vez mais vivendo um período de reconversão. Uma reconversão necessária perante uma Comunidade Europeia muito exigente. Mas, se atendermos à maneira tão curiosa, única na Europa, de cultivar a vinha, há todo o interesse em proteger esse sistema de cultivo, aliás, tenho fé numa urgente protecção ambiental/vitícola da orla marítima da Freguesia dos Biscoitos, uma autêntica arquitectura rural, ponto de partida da vinha para outras ilhas dos Açores.
(...)
A pedra vulcânica e a sua cor, a casta, enfim o clima de estufa, um conjunto de preciosidades para que o vinho desta região, livre de peias, usado com moderação, estímulo de trabalho e origem de bem estar físico e moral, se venha a impor por si mesmo a apreciação do consumidor, que tem toda a vantagem em preferir um vinho sadio, fresco e alimentar.»
23 de Maio de 1993

José Aurélio Almeida 11/8/06 16:38  

Caro Luís Mendes Brum:
Ficamos agradecidos por partilhar as suas sábias palavras, neste caso referentes a tão prestigiado acto, momento fulcral para a reconhecida Confraria do vinho Verdelho dos Biscoitos.

Anónimo,  15/3/07 15:51  

Dos Estatutos da CVVB

Artigo 7.º

Da perda de qualidade de associado


1 - A perda de qualidade de associado da Confraria do Vinho de Verdelho dos Biscoitos, só pode ter lugar por morte, pedido de demissão ou exclusão.

1.1 -A exclusão ocorre da inobservância dos estatutos ou regulamentos internos, falta de assiduidade às iniciativas da Confraria pelo período de um ano, desobediência, comportamento reprovável, ou escandaloso, e prática de actos do foro judicial à Confraria ou à dignidade dos Confrades.

1.2 - A exclusão implica a audiência do visado, e torna-se efectiva por deliberação do Capítulo Geral.

E por esta podem imaginar a admissão de confrades.

É uma associação diferente, que deve continuar a ser diferente.
Li e só espero merecer um dia que alguém se lembre de mim para aderir à Confraria do Verdelho.
A.

Anónimo,  16/3/07 20:08  

E a ao que parece esta Confraria não esquece os bons e os maus!
M.

Anónimo,  18/3/07 19:56  

Pois é!Não basta ser produtor, falar do vinho dos Biscoitos, do Queijo de São Jorge ou do Vinho do Pico e atacar os enófilos, ou os confrades ou essas instituições!Para isso existem as Associações de agricultores e os associados nas adedas cooperativas ou fruticolas ou ainda floricolas.
Respeitar as ideias dos outros para que as ideias de cada um seja igualmente respeitada e debatida. Espírito de grupo e não destabilizador ou desbaratador.
Uma confraria não é uma associação agrícola nem adegas cooperativas. nem pertencem a ninguém há estatutos, direitos e deveres. Regulamentos a cumprir.Mas, às vezes "quem mal fala quer comprar".
Ainda bem que assim é senão já não havia Confrarias nos Açores. As Confrarias são exemplos por vezes para outras instituições com enormes responsabilidades...

A.A.

Biscoitos, Praia da Vitória, Ilha Terceira, Açores, Portugal

  © Blogger templates The Professional Template by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP